Um projecto de Redução de Riscos e Minimização de Danos próximo de TI
comentar
publicado por pontesdoalva, em 20.11.09 às 10:54link do post | favorito

 

 

Os jovens não suportam o engano e, partindo desta premissa, tudo indica que querem ser responsáveis pela quantidade e pelo tipo de bebidas que consomem; querem tomar decisões baseadas em factos científicos e não na cultura ou crença popular; querem que a publicidade identifique as suas necessidades, valores e comportamentos sem os vincular, necessariamente, a certos produtos ou marcas; querem construir a sua cultura juvenil em contexto recreativo nocturno e não apenas participar nas acções padronizadas que a indústria recreativa disponibiliza: música, dança, ambiente, bebidas alcoólicas e outros componentes.  
 
 
Fonte (Imagem): www.oglobo.globo.com
 
Os jovens querem e devem ser ouvidos até porque o problema do binge drinking (consumo de grandes quantidades de álcool em pequenos períodos de tempo) não é apenas da responsabilidade individual de quem consome mas, de igual modo, da responsabilidade social de quem vende, necessitando de uma abordagem séria e colectiva, de forma a não penhorar a inteligência e a capacidade de ganho das gerações futuras. A disponibilidade comercial é um importante factor no estímulo ao consumo de álcool por parte dos adolescentes. Mesmo os menores de 16 anos conseguem comprar bebidas alcoólicas em estabelecimentos comerciais, sendo que a exposição dos jovens à publicidade de bebidas alcoólicas (nomeadamente em eventos desportivos), deveria ser revista e controlada e, em paralelo, trabalhar os mitos sociais e de género (masculino e feminino) associados ao consumo de álcool (os rapazes sentem-se adultos, desinibidos e seguros, as raparigas sentem-se modernas e com o mesmo estatuto de igualdade, relativamente aos rapazes).
 
Em termos teóricos, não preconizamos o modelo da abstinência obrigatória mas defendemos a cultura de um consumo moderado, efectuado em ambiente seguro e alicerçado em factos científicos que devem ser traduzidos em mensagens credíveis que possam ser utilizadas diariamente por todos nós. Será que estamos todos preparados para aceitar o facto de que não podemos beber mais do que 4 a 5 bebidas numa só ocasião?
 
O álcool é a substância psicoactiva mais consumida no mundo e a droga de escolha dos jovens portugueses. Em 2005 e segundo os dados do World Drink Trends, Portugal ocupava o 8º lugar do consumo mundial mas o 4º lugar no que respeita ao consumo de vinho. A percentagem de população que iniciou o consumo de bebidas alcoólicas entre os 15 e os 17 anos representava, em 2001, cerca de 30%, tendo este valor aumentado para 40% em 2007.
 
Hoje, 2 bilhões de indivíduos no mundo usam álcool e 58 milhões estão incapacitados em função deste uso. Os prejuízos decorrentes do uso de álcool num adolescente são diferentes dos prejuízos evidenciados num adulto, porque existem especificidades em cada uma das etapas da vida, da mesma forma que também se registam diferenças no processo metabólico do álcool entre rapazes e raparigas (nestas é mais lento) e até de pessoas do mesmo sexo, dependendo do peso e massa muscular de cada um.  
 
Nos adolescentes e jovens alguns riscos são mais frequentes porque estão associados a uma etapa da vida que tende a caracterizar-se pelo desafio a regras, omnipotência, o adolescente acredita estar magicamente protegido de acidentes (baixa noção do risco), sente-se mais autónomo na transgressão e envolve-se em situações de maior risco e com consequências mais graves. Por estas e outras razões, o abuso de álcool está fortemente associado à morte violenta, fraco desempenho social e escolar, dificuldades de aprendizagem, de relação familiar e de baixa produtividade no trabalho, trabalho indiferenciado ou mesmo desemprego.
 
A evidência científica revela que quanto mais cedo ocorrer a experimentação do consumo de álcool, mais graves serão as suas consequências e maior será o risco de desenvolvimento de abuso e dependência de álcool. Beber 5 ou mais doses no homem e 4 ou mais doses na mulher numa só ocasião (heavy drinking, binge drinking) aumenta o risco de problemas sociais e de saúde, incluindo doenças sexualmente transmissíveis, acidentes de trânsito, problemas de comportamento, violência, ferimentos não intencionais, aumentando, deste modo, a possibilidade de ocorrência de danos pessoais e sociais e, neste sentido, é também um problema de saúde pública.
 
Na verdade, os padrões de consumo de álcool estão directamente associados às doenças que produzem. Beber durante as refeições, por exemplo, produz um menor risco de problemas do que beber em festas ou lugares públicos, daqui se infere que o padrão de uso é obviamente determinante, não só em termos de quantidade consumida numa só ocasião, mas também quanto ao contexto de uso.
 
A explicação centra-se no facto das bebidas alcoólicas serem rapidamente absorvidas na corrente sanguínea e, na presença de alimentos, a sua absorção torna-se mais lenta. Os efeitos do álcool etílico ou etanol são diferentes de pessoa para pessoa devido à variação genética das enzimas metabólicas, podendo este facto contribuir para que algumas pessoas tenham mais tendência a desenvolverem um quadro de dependência alcoólica. Além da influência desta variação genética, os efeitos do etanol no comportamento das pessoas também variam devido a múltiplos factores: doses, ritmo de ingestão, sexo, peso corporal, nível de álcool no sangue e tempo decorrido após a última dose.
 
O etanol tem também efeitos biofísicos no comportamento: em doses baixas, os primeiros efeitos que se observam são de desinibição e maior actividade; em doses mais elevadas, diminuem as funções cognitivas, perceptivas e motoras. Se pensarmos na associação frequente do consumo de drogas lícitas – álcool e tabaco – estudos publicados pela OMS em 2002 revelam que fumar é um importante factor de risco para promover a progressão da dependência de álcool, isto porque a nicotina pode aumentar a actividade da enzima que metaboliza o álcool (CYP2E1) diminuindo os efeitos do etanol e aumentando a capacidade de tolerância do organismo a esta substância.
 
Existe evidência científica de que a desigualdade social e as diferenças de classe estão relacionadas com o uso de substâncias psicoactivas, tanto lícitas como ilícitas. Por exemplo, a diminuição do número de fumadores (homens e mulheres) tem aumentado significativamente nas classes sociais mais altas; no que respeita às substâncias ilícitas, estudos demonstram que a pobreza registada em algumas comunidades dos países desenvolvidos é um poderoso factor preditivo para a ocorrência de overdoses de droga, nomeadamente com cocaína e opiáceos.
 
Consideramos que toda a população, designadamente os consumidores, devem ser informados correctamente acerca das consequências do uso e do abuso de todas as substâncias psicoactivas para que possam tomar as suas decisões e efectuar as suas escolhas de forma informada e de acordo com os preceitos de um Estado de direito democrático. Relativamente às substâncias lícitas, os actores ligados à indústria do álcool têm a responsabilidade de informar a população sobre a forma mais correcta de utilizarem os seus produtos e serviços. Quanto a nós, podemos deixar algumas ideias de como utilizar as bebidas alcoólicas com menos riscos:
1.       Não usar bebidas alcoólicas para eliminar a sede.

 

2.       Beber de forma espaçada e com pequenos tragos para saborear a bebida

 

3.       Em ambiente seguro, poisar o copo na mesa entre cada trago

 

4.       Não acompanhar alimentos salgados com bebidas alcoólicas

 

5.       Na hora da refeição, colocar sempre água na mesa

 

6.       Intercalar o consumo de bebidas alcoólicas com sumos e água

 

7.       As bebidas alcoólicas devem ser ingeridas com alimentos

 

8.       Não misturar vários tipos de bebidas nem associar o consumo de álcool a outras drogas.

 

 

 

Autora : Maria Elisabete Abreu, responsável pela área de Redução de Riscos e Minimização de Danos da Delegação Regional do Centro do Instituto da Droga e da Toxicodependência, I.P.
 
 

comentar
publicado por pontesdoalva, em 20.11.09 às 10:45link do post | favorito

 

 

Com o objectivo de informar e sensibilizar sobre para os consumos abusivos de Substâncias Psicoactivas e os riscos e danos associados aos mesmos, bem como, estabelecer uma ponte entre a comunidade científica e a comunidade em geral, em particular os jovens, pretendemos convidar membros especialistas e técnicos nestas áreas para escrever.
 
Uma ponte entre a "ciência" e todos nós…
para...
 
Informar…
Sensibilizar…
 
Contigo...
 
Criamos Pontes e Não Barreiras…
 
 
 
Figura: T-shirt Pontes do Alva

comentar
publicado por pontesdoalva, em 18.11.09 às 10:26link do post | favorito

LSD


 

O QUE É?

Substância alucinogénia/psicadélica, vulgarmente conhecida por “ácidos”. Apresenta-se em pequenos pedaços de papel, gotas, cápsulas ou micropontos (“micropoint”).
 
 
O QUE PODE PROVOCAR?
·    Logo depois de consumires:
o        Ilusões e alucinações
o        Aumento da sensibilidade sensorial
o        Dificuldade em controlar o pensamento
o        Aumento do ritmo cardíaco
o        Hipertensão arterial
o        Tremores
o        Náuseas e confusão mental
o        Agitação ou pânico
o        Perda de controlo emocional
o        Possibilidade de “bad trip”
 
·    Após um consumo continuado:
o        Quadros alucinatórios
o        Psicose
o        Depressão
o        Ansiedade
o       Despersonalização e perda de noção da realidade
o        Perturbações do comportamento
o        Flash back” (aparecimento de sinais de “bad trip” mesmo sem ter consumido)
 
 
SE CONSUMISTE…ENTÃO…
·    Cerca-te de pessoas experientes no consumo para te ajudarem em caso de “bad trip”
·    Em caso de pânico ou ansiedade procura um local fresco e seguro
·    Não assustes uma pessoa que esteja a “tripar”
 
 
 
Fonte (Imagem): www.justice.gov
Fonte (Texto): www.idt.pt

 


comentar
publicado por pontesdoalva, em 18.11.09 às 10:10link do post | favorito

O Projecto “Alavanca”, promovido pela Associação de Beneficência do Sabugueiro, está integrado no Plano Operacional de Respostas Integradas (PORI) do Instituto de Droga e da Toxicodependência (IDT) e tem vindo a desenvolver várias actividades de apoio à comunidade local, em estreita articulação com o CRI – Centro de Respostas Integradas da Guarda.

 
Assumindo um papel dinamizador, o “Alavanca” tem como objectivo a alteração de comportamentos destrutivos que afectam os indivíduos e respectivas famílias, levando-os consequentemente a processos de exclusão social.
 
A intervenção do Projecto, baseia-se no apoio psicossocial dos Utentes através de Visitas Domiciliárias a fim de se verificar a situação actual dos mesmos e de se proceder aos encaminhamentos necessários; na sensibilização e encaminhamento para Tratamento da dependência e na colaboração da dinamização dos Grupos de Inter-Ajuda divididos pelo GIAG (Centro de Saúde de Gouveia) e pelo GIPA (Centro de Saúde de Seia). 
 
O Projecto “Alavanca” desenvolve as suas acções em parceria com as Câmaras Municipais de Seia e Gouveia, Segurança Social (Seia e Gouveia), IEFP – Centro de Emprego e Formação Profissional de Seia, ULS (Centros de Saúde de Seia e Gouveia), Juntas de Freguesia, Técnicos de Acção Social Local que solicitam um acompanhamento mais personalizado aos indivíduos e suas famílias.
 
Da população em acompanhamento procedeu-se, até à presente data, ao encaminhamento de indivíduos para Tratamento encontrando-se estes já em processo de reinserção laboral dando início a um novo projecto de vida que passa pelo reforço das suas competências pessoais, sociais e profissionais.
 
Desta forma, o Projecto “Alavanca” solicita a participação de todos, que num exercício de cidadania, colaborem para a promoção da alteração destas situações.
 
 
 
Imagem: Logotipo do Projecto "Alavanca"
 

Contactos:
Morada: Av. Afonso Costa, Edifício Ventura, nº 86, 1º Centro Direito, 6270 Seia
Telefone: 238 086 604     Fax: 238086 605
Telemóvel: 926 373 265

 

comentar
publicado por pontesdoalva, em 18.11.09 às 09:37link do post | favorito

 

 

O Plano Operacional de Respostas Integradas (PORI) promovido pelo Instituto da Droga e da Toxicodependência, onde se insere o Projecto “Pontes do Alva”, tem como objectivos gerais:
·            construir uma rede global de respostas integradas e complementares, no âmbito da prevenção, da dissuasão, da redução de riscos e minimização de danos, do tratamento e da reinserção;
·            aumentar a abrangência, a acessibilidade, a eficácia e a eficiência das intervenções, dirigindo-as a grupos específicos;
·            desenvolver um processo de melhoria contínua da qualidade da intervenção através do reforço da componente técnico-científica e metodológica;
·            aumentar o conhecimento sobre o fenómeno dos consumos de substâncias psicoactivas e promover a realização de intervenções coerentes e sustentáveis no tempo.
 
A execução do PORI concretiza-se mediante a identificação e selecção de territórios de intervenção prioritária, a elaboração de diagnósticos sobre cada território seleccionado e a implementação de Programas de Respostas Integradas (PRI).
 
Para a nossa zona identificou-se o Território Gouveia/Seia, que integra abordagens e respostas interdisciplinares, através de três eixos:
·            a Prevenção pelo Projecto “Uma Aventura +”, promovido pelo Grupo Aprender em Festa (GAF);
·            a Redução de Riscos e Minimização de Danos, com o nosso Projecto “Pontes do Alva” promovido pela Associação de Beneficência do Sabugueiro;
·            e Reinserção Social, com o Projecto “Alavanca”, também promovido pela Associação de Beneficência do Sabugueiro.
 
Dado que um dos objectivos do Projecto “Pontes do Alva” é a divulgação de informação e encaminhamento para serviços e recursos institucionais existentes na área das drogas e toxicodependências e do apoio social e encaminhamento, vamos, ao longo deste mês de Novembro, divulgar os objectivos e serviços dos outros dois projectos pertencentes ao Eixo Gouveia/Seia: o Projecto “Alavanca” e o Projecto “Uma Aventura +”.
 
 

 

 

 

Imagem: Logotipo do PORI


comentar
publicado por pontesdoalva, em 17.11.09 às 09:58link do post | favorito

 


ECTASY, MDMA


 

 

 

O QUE PODE PROVOCAR?

  • Logo depois de consumires:
    • Alterações na percepção da realidade
    • Aumento da temperatura do corpo
    • Náuseas/enjoos
    • Aceleração do ritmo cardíaco e tensão arterial
    • Ansiedade
  •  Após um consumo continuado:
    • Depressão
    • Ansiedade
    • Cansaço/exaustão
    • Perturbações no sono
    • Estados paranóicos ou psicóticos (alucinações, perda de noção da realidade, mania da perseguição, etc.)
    • Problemas cardíacos
    • Hipertensão Arterial
 
SE CONSUMISTE…ENTÃO…
  • Não consumas álcool (é extremamente perigoso no caso desta droga)
  • Usa roupas largas
  • Faz pausas para descanso
  • Bebe muita água
  • Tem cuidado com a substância que estás a consumir (é comum ser alterada, tornando-se por vezes ainda mais perigosa)

 

 

Fonte: www.news-info.wustl.edu

Texto (fonte): www.idt.pt


comentar
publicado por pontesdoalva, em 16.11.09 às 15:32link do post | favorito

 

O Projecto “Pontes do Alva” esteve presente na iniciativa da Escola Superior de Turismo e Hotelaria do Instituto Politécnico da Guarda, de plantar 300 árvores no seu Campus.
 
O “Pontes do Alva” adoptou um carvalho…
 
Vejam…
 

 

             


comentar
publicado por pontesdoalva, em 16.11.09 às 15:04link do post | favorito

 

 

 

 

No passado dia 14 de Novembro de 2009, começou a Acção de Formação Inicial de Jovens Mediadores, que teve lugar no CISE. Falou-se de Redução de Riscos e Minimização de Danos, de Educação Pelos Pares, de drogas e álcool…e entre risos, questões, animação e um almoço bem disposto…iniciou-se esta nova aventura…
 
Vejam só as fotos…
 
 
 
 
 

 


comentar
publicado por pontesdoalva, em 06.11.09 às 12:38link do post | favorito

 

 

Estamos a formar Jovens Mediadores. A primeira Acção de Formação Inicial para Jovens Mediadores é nos dias 14 de Novembro de 2009, 05 e 12 de Dezembro de 2009, no CISE, em Seia. Esta Acção de Formação é ministrada pela Professora Dr.ª Maria do Rosário Pinheiro, Especialista em Psicologia da Educação, Professora da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Coimbra e tem como objectivos principais:
  • Construir uma resposta de proximidade no âmbito da redução de riscos e minimização de danos;
  • Aumentar a acessibilidade, a eficácia e a eficiência das intervenções em contextos específicos através da metodologia de Educação pelos Pares.·   Promover a compreensão e maior consciencialização para as consequências do consumo das SPA’s e seu impacto nos jovens;
  • Melhorar os conhecimentos e as competências dos jovens voluntários em educação pelos Pares;
  •  Capacitar os jovens mediadores para o reconhecimento de pares em situação de risco, inerentes aos consumos de SPA’s;
  • Dotar os jovens mediadores de instrumentos apropriados para a intervenção em contextos de consumos, especificamente em recreativos e de lazer.
 
 
Inscreve-te, participa e enriquece-te…

 

 

 

Envia os teus dados

 

(nome, data de nascimento, e-mail e contacto telefónico)
para: pontesdoalva@absabugueiro.com
ou dirige-te ao nosso
Ponto de Contacto e Informação
(Av. Afonso Costa, Edifício Ventura, nº86, 1º Centro Direito, Seia ou na noites)
 

 

 

As inscrições são gratuitas, devendo se confirmar a presença até dia 12 de Novembro de 2009

 

 

 


comentar
publicado por pontesdoalva, em 06.11.09 às 12:29link do post | favorito

 

 

Estamos a formar Voluntários...

vem juntar-te a nós...


Mais sobre Nós
Novembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
19
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


pesquisar
 
Visitas

Newsletters

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

Contador de Visitas
Linha 1414
A Linha Vida SOS Droga – 1414 pode dar-lhe informações mais personalizadas, uma vez que falará pessoalmente com um técnico. O atendimento telefónico é efectuado de 2ª a 6ª feira das 10 às 20 horas.
www.tu-alinhas.pt
O site infanto-juvenil do Instituto da Droga e Toxicodependência (IDT). Sabe mais sobre drogas de uma forma divertida! JOGA, APRENDE, DIVERTE-TE!
Segue-nos no Facebook!
blogs SAPO
subscrever feeds